segunda-feira, 3 de dezembro de 2012

Rebatimento de plano de rampa

Rebatimento de plano de rampa
 para o plano horizontal de projecção

 Escolha um ponto do traço frontal do plano. O ponto F no exemplo abaixo serve perfeitamente.
 Por F1 desenhe uma perpendicular ao traço horizontal do plano, traço esse que será o eixo do rebatimento.
Abaixo, na perspectiva à direita temos o desenho do triângulo de rebatimento no espaço. Trata-se de um triângulo rectângulo, um triângulo em que um dos seus ângulos internos faz 90º. Um dos seus catetos é o segmento que vai de F1 ao eixo de rebatimento em projecção horizontal. O outro cateto (ao alto, na vertical) tem a medida da cota do ponto. A hipotenusa é a distância espacial, em V.G., do ponto F ao eixo de rebatimento.
 É precisamente esse triângulo que tem de ser desenhado rigorosamente. O primeiro cateto já se encontra no desenho. O segundo para ser obtido, rebate-se o triângulo para o lado, ou seja, pega-se na medida da sua cota e coloca-se na perpendicular ao primeiro cateto sendo F1 o vértice comum aos dois catetos. E temos os dois catetos e a hipotenusa (no desenho a cinzento).
 Com centro no ponto onde a perpendicular inicial e a hipotenusa cruzam ambos o eixo de rebatimentoabre-se o compasso até ao outro extremo da hipotenusa e roda-se essa medida para a perpendicular.
 Onde o arco cruza a perpendicular temos o ponto rebatido. Neste caso, Fr.
 Como F é um ponto do traço frontal do plano, ao ser rebatido passa por Fr. A distância do traço frontal do plano e do ponto F ao eixo de rebatimento é a mesma de Fr e do traço frontal rebatidos ao mesmo eixo. É nisto que consiste o rebatimento. Planificar um plano, rodando-o e colocando-o numa das projecções (horizontal ou frontal) em V.G (verdadeira grandeza).
 E assim se rebate um plano de rampa.
Para rebater outros pontos do plano passe rectas oblíquas que cruzem os dois traços dentro da folha de desenho. Para contra rebater rectas, pontos ou figuras planas segue-se o mesmo processo, inversamente.

sexta-feira, 10 de fevereiro de 2012

Exercícios de Geometria Descritiva quase impossíveis - Planos

1 – Determine os traços do plano α definido pelas rectas r e s concorrentes no ponto A(4;0;0). A recta r contém o ponto B(-4;4;1) e a recta s contém o ponto C(-4;-5;5).

2 – Determine os traços do plano β definido pelas rectas a e p. A recta a contém o ponto A(5;3;-4) e a recta p contém o ponto B(0;-2;5). As duas rectas são concorrentes no ponto O(0;0;0).

3 - Determine os traços do plano δ definido pelos pontos A(7;-2;-1,5), B(3;4;-6) e C(-1;0,-3).

4 - Determine os traços do plano θ definido pelos pontos P(7;0;5), Q(-7;-5;0) e R(-7;0,2).

5 - Determine os traços do plano γ definido pelas rectas a e b concorrentes no ponto K(1;0,0). a1 e a2 fazem respectivamente com o eixo x ângulos de 30º a.e. e 50º a.e. As projecções horizontal e frontal da recta b fazem respectivamente ângulos de 50º a.d. e 30º a.d. com o eixo x.

sexta-feira, 3 de fevereiro de 2012

Planos

Plano Horizonal ou de nível

Plano frontal ou de frente

Plano de perfil

Plano de topo ou projectante frontal

Plano vertical ou projectante horizontal

Plano oblíquo

Plano de rampa

Plano passante

sábado, 7 de janeiro de 2012

Rectas



Rectas paralelas aos planos de projecção

Recta horizontal

Recta frontal
Recta fronto horizontal

Rectas projectantes

Recta de topo
Recta vertical

Rectas não paralelas aos planos de projecção

Recta oblíqua

Rectas paralelas ao plano de projecção de perfil (yz)

Recta de perfil

Rectas passantes